baguinho de arroz

Este blog é dedicado a um baguinho de arroz que cresce na minha barriga e encanta uns papás de 1ª viagem... >24/02/2006 O baguinho de arroz já cresce fora da barriga da mãe, mas continuamos a ser uns papás estreantes e encantados.<

quarta-feira, junho 07, 2006

3 meses, uma semana e 3 dias

Tantas coisas se passaram e parece que foi ontem que acariciava a minha barriga, ansiosa para conhecer o meu Baguinho de Arroz. Agora que já a tenho nos meus braços parece que o tempo voa e não tenho tempo de registar todos os segundos da vida dela. Parece que cada minuto faz algo diferente, um sorriso, um olhar diferente...Apetece pegar na máquina e registar para sempre esses pequenos marcos de uma vida nova que se desenrola à nossa frente.
Não sei se já tinha dito, mas nunca fui uma "típica" rapariga. O único bebé com que realmente estou a interagir, é realmente a minha Lara. O que para outras mães pode ser óbvio, para mim não é bem assim. Um exemplo. A Lara já se vira de lado sozinha e costuma estar a tentar virar-se de barriga para baixo, mas só ainda conseguiu uma vez e ainda faltou resolver o problema de ter um braço debaixo dela...não o conseguia tirar. Bem, temos de vez em quando colocado a Lara de barriga para baixo, o que ela gosta bastante mas este fim de semana começou a fazer força nas pernas como se já fosse para gatinhar. Até se ergueu um pouquito. Pensamento meu, logo verbalizado: Se calhar já falta pouco para começar a gatinhar! Fui ler a um livro que tenho cá em casa e ... troll.....os bebés só começam a gatinhar aos 9 meses. Realmente há coisas que me ultrapassam....pobre Lara, com 3 meses e a mãe dela a pensar que daqui a pouco já gatinhava....
Em todo o caso parece que todos os dias acontecem coisas, ela está a crescer, a observar o Mundo que a rodeia com uns olhicos curiosos e eu parece que não consigo absorver tudo o que queria. Tenho estado demasiado cansada. Só me apetece dormir. E quando consigo, parece sempre que tive um sono leve, volátil....Mas queixo-me do quê? Há mães que não têm qualquer ajuda de ninguém e estão bem. Como é que elas conseguem? Se estou em casa sozinha com a Lara, quase não tenho hipótese de fazer nada. Durante o dia dorme uma ou duas horas de cada vez e quando está acordada tem de me ter sempre por perto. Não gosta de estar sozinha (pensando bem, ninguém gosta). Mas isso faz com que a minha casa esteja um caos. E eu entre em stress por causa disso. Até tenho tido uns episódios de tonturas que me assustaram um pouco.
Temos tido uma rotina diária que só foi interrompida quando o H. tenho de licença de casamento [breves dias :-( ]
A Lara bebe o 1º biberão entre as 6 e as 7h30 (depende da fome e do sono dela). Depois voltamos a dormir as duas e ela acorda para comer entre as 10 e as 11h30. Mudo-lhe a fralda e preparo-a para sair. Coloco-a na minha cama e enquanto vou à cozinha, buscar as coisas dela para levar, tenho de ir gritando "já vou, a mãe vai já". Pois a Lara começa com "nhec, nhec, nhec, nhec, AAAIIII!!!!" detesta estar sozinha :-s
Coloco-a no pano, que ela já parece reconhecer, pego nas tralhas e aí vamos nós. Ir de carro até à casa da minha mãe. É perto, uns 10-15 min. Lá, já o almoço está quase pronto e é só almoçar.
Durante a tarde, só faço biberões, fraldas, e afazeres de Lara. Podia aí aproveitar para descansar um pouco o meu cérebro e tentar dormir um pouco. É claro que a Lara está bem entregue se eu quiser dormir, mas acontece que não consigo, tenho os sentidos de tal maneira alerta que qualquer som que ela faça na sala, eu no quarto acordo. Era suposto estar descansada, está bem entregue, mas não consigo. Talvez só vá dormir verdadeiramente bem, um dia que ela saia de casa. Mas ainda falta uns anos. Á noite, quando o H. chega, voltamos para casa, jantamos e está quase na hora da Lara comer e ir dormir, entre as 22 e as 23. Como se prova, o meu dia até é bastante simples. Então porque raio ando tão cansada?!
Entretanto tenho de me preparar para ir trabalhar. É só no final de Julho, mas deixar a Lara é uma coisa que me angustia um pouco. Sei que é um sentimento estúpido, até porque ela vai ficar com alguém de confiança. É a filha da senhora que foi a minha ama.
Por um lado apetece-me voltar à rotina do trabalho, até porque gosto bastante daquilo que faço. Mas por outro lado, deixar a minha filha o dia todo noutro local que não seja junto a mim, deixa-me muito angustiada. Embora saiba que é parvo, tenho a sensação de que só eu é que sei o que a Lara quer e o que quer dizer com cada gesto, com cada sorriso, cada choro, cada sonzinho que faz. Parece que só eu é que estou atenta e dou importâncias aos sinais que vai dando; se está contente, se está triste, se quer um miminho, se tem sede, se dói a barriga....Meu Deus, dói tanto pensar que é outra pessoa que vai assistir aos pequenos progressos da vida da Lara. Durante a semana, as horas que vamos estar com ela, é muito ao fim da tarde e de noite. Só nos vai restar os fins-de-semana e as férias. Agora que sou mãe, quando for trabalhar, vou ter de tentar sair a horas decentes. É que na empresa onde trabalho, as chefias ignoram o facto de existir vida para além da empresa e que a hora a que saímos nem sempre era a mais adequada a quem tem filhos. Mas espero que isso mude. Mudar de empresa nos tempos que correm não está fácil.
Chega por hoje. O testamento já vai grande. Tenho muito para dizer mas convêm despejar as coisas aos poucos, para não enjoar eventuais leitores.

8 Comments:

Anonymous Vanessa said...

Ola, ola!
Pois enquanto a mae bago de arroz escrevi estas lindas linhas, andava a "tia vanessa" (bago de arroz maluca) no super rock... Lara cresce rapido para ires comigo!

Tive conhecimento do blog hoje pelo pai bago de arroz e quero dizer que a pekena Lara esta muito querida e é bom saber a felicidade que transporta com ela!

Muitos beijinhos familia bago de arroz

12:30 da tarde  
Blogger Horas Vagas said...

Não enjoas nada!
Essa história do "nós é que sabemos interpretar os sinais" é verdade. E é mesmo assim! Reconhecemos os choros, os esgares e os desejos. Mais ninguém...

4:55 da tarde  
Blogger Carla Iglesias said...

Oi,
Eu também nunca tive contactos com bebés a minha filha foi a 1ª. Acho que me adaptei bem a esta mudança na minha vida e até me estou a sair bem.
Quanto ao ires trabalhar: Eu também pensava assim ,mesmo sabendo que ela ficaria super bem entregue aos cuidados da minha mãe. Acho que com a continuação dos dias, habituei-me á ideia e foi custando menos de dia para dia. O que custa mesmo, é passarmos o dia todo sem os nossos filhos e ao fim do dia, sabermos que ele fez uma graçinha nova e nós não estavamos lá para ver :-(

Bjos
Carla

9:20 da tarde  
Blogger Carla Iglesias said...

Oi,
Eu também nunca tive contactos com bebés a minha filha foi a 1ª. Acho que me adaptei bem a esta mudança na minha vida e até me estou a sair bem.
Quanto ao ires trabalhar: Eu também pensava assim ,mesmo sabendo que ela ficaria super bem entregue aos cuidados da minha mãe. Acho que com a continuação dos dias, habituei-me á ideia e foi custando menos de dia para dia. O que custa mesmo, é passarmos o dia todo sem os nossos filhos e ao fim do dia, sabermos que ele fez uma graçinha nova e nós não estavamos lá para ver :-(

Bjos
Carla

9:20 da tarde  
Blogger ~Su~ said...

Linda, eu nunca tinha lidado com bebés também... NUNCA tinha mudado uma fralda... enfim, é uma adaptação e pêras! Mas a gente dá conta do recado, não é?

A Lara está muito fofinha, a foto está muito ternurenta!

Eu estou como tu: custa-me deixar a Lara com mais alguém que não eu, pois tenho aquela sensação que eu é que sei, pois estou habituada às rotinas e necessidades dela :) É mesmo assim.

Quanto ao teu emprego, impõe-te!! A tua família é a tua prioridade!

Beijinhos!

1:34 da manhã  
Blogger Cláudia said...

Uauuu!
Que grande... que desnaturada saiu esta tia emprestada...quando voltarmos da praia ( para a semana ) damos ai um salto ok? bjs!

1:16 da tarde  
Blogger Cláudia said...

Ah parte das cenas familiares... o trabalho é um meio de subsistência donde se corre para casa com a maior brevidade possível só para vermos o nosso sorriso favorito! A nossa vida tem muitas coisas das quais umas são prioritárias e outras secundárias... como por exemplo o trabalho já não vem em 1º lugar vem bem mais cá para baixo depois da Ritinha, do Mike, da Mãe da Ritinha e da mãe da mãe da Ritinha, restante família e Amigos do Coração, DESCANSO ( sobrepõe-se mtas vezes aos amigos e família ) e depois vem o trabalho... isto foi uma alteração mental muito grande que tive de fazer depois de dar quase o sangue pelo trabalho... estar no escritório mais que 8 horas acontece para aí uma vez por mês... e chega! De notar que o divertimento está incluído em todas as outras coisas... o que há de mais divertido do que estar em casa a ouvir as gargalhadas da minha peidolas? ou ir beber um cafe com os amigos e ver a peidolas a correr e a fazer palhaçadas? As horas a que temos direito durante o 1º ano de vida são primordiais para mantermos o nosso contacto com o desenvolvimento das princesas e dos principes das nossas vidas! Para além de que é a altura de que eles são mais exigentes a nível de dependencia e nos cansamos mais... Aproveita tudo aquilo a que tens direito! O trabalho já não é a nossa vida, mas sim, uma das muitas coisas que fazem parte dela! Força! Bjs

1:31 da tarde  
Blogger Rute said...

Olá familia bago de Arroz... só cá vim para vos deixar uma beijoca e para vos dizer que apesar de nem sempre comentar, adoro ler os vossos relatos!

Beijocas,
Rute e André

1:14 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home