baguinho de arroz

Este blog é dedicado a um baguinho de arroz que cresce na minha barriga e encanta uns papás de 1ª viagem... >24/02/2006 O baguinho de arroz já cresce fora da barriga da mãe, mas continuamos a ser uns papás estreantes e encantados.<

sábado, fevereiro 25, 2006

baguinho saiu, e apresentou-se aos pais: «Lara»

Pois é, passou apenas um dia após a foto das 40 semanas, e a Sandra não pode escrever e dar a notícia ela própria. Dou-a eu, o tal H.: Lara nasceu, no dia 24, pelas 00h01 (um minuto, depois das meia-noite, sim).
2,890 Kg de saúde. Não quis mergulhar de cabeça para a nova vida, achou que era mais próprio ficar sentada como Buda, pelo que os médicos resolveram-se por uma cesariana.
Tudo isto foi desencadeado pelo rebentamento das águas, ainda em casa. Felizmente que a Sandra, antes de ir à faca, iniciou trabalho de parto, porque já no Hospital começou a sentir as contrações.
Foi possível para mim acompanhar a Sandra inicialmente, uma vez que a sala (camarata) de dilatação não tinha lá mais ninguém. Mas depois, quase sem aviso, as decisões são tomadas por alguém invisível, são transmitidas às enfermeiras, que apenas executam com voz de sargento, e o pai vai fora, «último beijo até amanhã de manhã», dizem elas, autoritárias.
Mas esta é história a contar noutra ocasião. (esta e outras, sendo as mais importantes, a da mãe e da Lara. Preferia que fosse uma história comum, mas não nos foi possível)
Porque o melhor de tudo, e que compensa todas as coisas, é que Lara está cá fora, está de saúde. Mama gulosamente na mãe, à noite, quando não posso estar (doh!). Durante o dia, quando é suposto esta acordada, é o contrário (que é quando a vejo), uma dorminhoca.
Ah!, devido ao estado da Sandra, ontem, que mal se podia mexer, e a enfermeira, que supostamente iria mudar a fralda e explicar-nos como fazer, não aparecer, resolvemos eu próprio mudar a dita. Pegando no que a Sandra viu outros fazer, e no que ouvímos, lá fui eu, com mil cuidados e outras tantas inseguranças, com aquele medo sub-consciente de estragar qualquer coisa da lara, fazer a tal muda: fica aqui a nota de orgulho, foram-me dados os parabéns pela enfermeira que depois foi ver, mais tarde (após a mudança de turno). Foi a melhor medalha de sempre.
Até breve.

quinta-feira, fevereiro 23, 2006

foto 40 semanas


Conforme prometido, cá vai a foto da minha barriga. Tirei ontem à noite, mas estava com demasiado sono para vir até aqui. As minhas desculpas pelo atraso.

quarta-feira, fevereiro 22, 2006

40 semanas

Hoje fazemos 40 semanas e a nossa Baguinho de Arroz ainda está aqui no quentinho.
No babyblogs já vamos ficar em primeiro, pois já nasceu a sofia. Parabéns aos papás :-)
Logo vou pedir ao H. para tirar uma foto à casinha da Baguinho de Arroz para ficar registada mais esta etapa. Depois venho aqui colocar. Está realmente grande para alguém do meu tamanho. Está muito difícil dormir. Não há posição que não me dê dor de costas, ou costelas, ou...enfim. Além disso, de duas em duas horas tenho de me levantar para ir à casa de banho (a bexiga deve estar mínima). Mas assim já fico habituada a não dormir muito de casa vez.

terça-feira, fevereiro 21, 2006

Mais um dia

Mais um dia se inicia como todos os outros. Desde que estou em casa, a rotina é sempre a mesma. O H. sai para o trabalho, bebo o meu leitinho e volto a dormir. Mas só consigo dormir no máximo até às 10h. A nossa Baguinho de Arroz faz questão de me acordar para comer. É bom acordar com ela a mexer dentro de mim. Ela tem razão em me acordar, mas as noites não têm sido fáceis e aquele bocadito de manhã, envolta em almofadas sabe tão bem...
Agora tenho ido almoçar à casa da minha mãe. Pelo menos não estou aqui sempre sozinha e não gosto de fazer comida só para mim.
Depois volto e vou tentar fazer mais umas coisitas aqui em casa.
Bom dia para todos :-)

segunda-feira, fevereiro 20, 2006

ainda aqui estamos

Ainda por aqui andamos. Quase, quase nas 40 semanas e a nosso Baguinho de Arroz continua no quentinho.
Era suposto estar a descansar, mas na realidade tenho aproveitado para dar um jeito à casa. Sei que não posso ter tudo perfeito como desejaria, mas vou fazendo a pouco e pouco. Aliás, tenho mesmo de fazer as coisas com calma porque esta barriga já começa a pesar e as costas doer.
Há uma questão que me faço constantemente: Porque é que quanto mais dificuldade tenho em me baixar, mais as coisas me caiem ao chão? Acho que a gravidade do planeta está contra mim.
Enfim, nada de interessante se tem passado aqui por casa.
Sexta-feira vou ter mais uma consulta e ver como está a nossa Baguinho de Arroz.
Acreditam que ainda não tenho as malas prontas?! (que vergonha a minha...40semanas...) É claro que tenho tudo preparado para colocar lá dentro, mas tenho a estranha sensação de que assim que as malas estiverem prontas, ela vai dar sinais de querer fazer a viagem....Devo estar maluca!!

terça-feira, fevereiro 14, 2006

Apanhada

Fui apanhada pela Marta mamã do André e como prometido é devido vou responder:

4 empregos que já tive
- Promotora num supermercado
- Empregada numa loja de móveis, onde fazia um pouco de tudo.
- Um part-time onde ia buscar umas crianças à escola e entrega-las à mãe.
- Engenheira de Máquinas (é o actual)

4 filmes que posso ver vezes sem conta
- A máscara

- Roger Rabitt
- Shrek
- Nemo

4 livros que posso ler vezes sem conta
- O médico da Czarina do Konsalik
- O perfume do Patrick Suskind
- Quase todos do Robin Cook
- Livros dos 4 Ases (para descontrair)

4 sítios onde vivi
São só dois…
- Alverca do Ribatejo
- Vila Franca de Xira

4 séries televisivas que não perco
Raramente fico o tempo suficiente acordada no sofá para ver, mas cá vai:
- Doido por ti (já terminou mas adorava)
- Sienfeld
- Sexo e a cidade
- Changing Rooms

4 sítios onde estive de férias
- Alvor (Algarve)
- Carvoeiro (Algarve)

- Vila Velha de Ródão (Beira Baixa)
- Cancun (México)


4 dos meus pratos preferidos
- Lulas recheadas (só as da minha mãe)
- Açorda de Marisco
- Batatas fritas (não é bem um prato…)
- Mousse de chocolate (tb não é bem um prato, mas adoro, o que fazer)

4 websites que visito diariamente
- www.blogger.com
- www.bebes.clix.pt
- www.gmail.com
- www.google.pt

4 sítios onde gostaria de estar agora
(queria acrescentar, “com o meu H. em qualquer parte do universo”)
- Cancun

- Grécia
- Italia
- Maldivas

4 bloggers que desafio a fazer este inquérito
- Karla (sapinhogordo)
- Rute (
Momentos)
- susy (
sonhoadiado)
- Horas vagas (vemdevagar)
(Espero que nenhuma ainda tenha feito)

E pronto, agora as meninas que se seguem

hoje

Hoje terça-feira dia 14, é o meu 1º dia de baixa. Tive de me render às evidências e aceitar a baixa. Não é tanto o que faço no trabalho, pois costumo estar quase sempre sentada, mas é mais os 100 Km que fazia por dia de carro, eu a conduzir. Estava a ficar difícil fazer as manobras com esta barriga. Além de que tenho um trabalho algo stressante que também não estava a ajudar muito. E assim cá estou em casa.
Agora que já actualizei o blog (devem estar voçês a pedir que pare de escrever), vou responder ao desafio da querida Marta (ainda não sei por links) e vou responder ao questionário.

consulta e eco

No 10 (sexta-feira) foi dia de consulta e eco das 38 semanas. E eis que a nossa Baguinho de Arroz tem aprox. 2,560 Kg. Segundo as observações do Dr. ela está bem, mas ainda está bem confortável por aqui, pois ainda anda às voltas e quando se fez a eco estava sentada. Sim, já esteve virada para o sítio certo, mas agora decidiu dar mais umas voltas. O liquido amniótico está bem e a placenta também. O colo do útero contínua "permeável a um dedo" (acho que é isto que se diz). Isto tudo para dizer que parece que ainda não é para agora.
Estivemos a vê-la no ecrã, já só se vê umas coisas de cada vez, pois não cabe no monitor. Não é muito grande a nossa rapariga, mas também como sou "picoli" tem a quem sair.
O Dr. respeitou o meu desejo da não indução se não estivesse comprometida a nossa saúde e seguir as recomendações da OMS e esperar até ao limite das 42 semanas. Daí que quero esperar para ver quando é que ela se decide. É claro que a vontade é de a conhecer já.....mas se ela está bem, vou fazer um esforço e esperar. Agora volto lá dia 24, se ela não decidir visitar-nos antes.

o hospital

No mesmo dia do CTG, pedi para fazer uma visita às instalações do hospital. Já lá estive a "morar" uns tempos na Ortopedia, mas à maternidade nunca fui. Fiquei um pouco desiludida com as condições. É tudo muito velho e pequeno. Dum lado tem uma enfermaria onde ficamos com os bebés, em quartos de 2 pessoas ou em quartos maiores que têm 4 ou 5 camas. A privacidade ali vai depender da quantidade de mamãs que estejam internadas na mesma altura que eu.
O chamado "bloco de partos" tem uma sala de dilatação (que espero não usar) com 4 camas e o local propriamente dito onde a acção acontece tem 2 macas. Claro que isso significa que o pai pode não poder assistir ao parto se tivermos duas em trabalho de parto ao mesmo tempo, o que me deixou um pouco triste. Estava realmente a contar com o apoio do meu H.
Em conversa com a enfermeira que me fez a visita guiada, pareceram-me receptivos em respeitar os meus desejos de ter uma parto o mais natural possível, e isso já foram boas noticias. Mas foram as únicas boas noticias que tive daquela visita.
Agora podem perguntar: "porque não vais para outro local?" O primeiro motivo é a comodidade, este hospital fica muito perto de casa, quase que dá para ir a pé. O que vai facilitar as visitas do pai H. que é importantíssimo.
Depois existem os motivos de convicção e de esperança que as coisas possam mudar em Portugal. Já devem estar a pensar "está maluca!!". Pois, se calhar estou. Mas gostava de pensar que estamos a caminhar no sentido de um serviço nacional de saúde onde se respeite a vontade das mulheres e que as deixem participar activamente no momento mais fantástico das suas vidas, que é dar à luz um filho. É minha convicção que as unidades de saúde cada vez mais se irão assemelhar ao que já existe noutros países. Ou seja, proporcionar uns momentos de calma, privacidade, na companhia de quem escolhermos, num momento tão importante como este.
Neste sentido a MAC de Lisboa (passo a publicidade), na minha opinião, deu um salto em frente na tentativa de mudança na forma como se encara o parto. Ainda com algumas limitações, talvez devido à falta de espaço ou à falta de verba...não sei. Para mim é positivo ver um local, que tem uma tradição secular no que trata aos nascimentos dos lisboetas, a fazer um esforço para mudar e ir de encontro ao que acima disse.
É obvio que se as coisas correrem menos bem ou se as mamãs quiserem um tratamento puramente hospitalar, aí sim teremos os meios à disposição para atender esses casos.
Cada pessoa é diferente, e parece-me acima de tudo cada uma tem uma palavra a dizer no que toca à escolha do tipo de parto que desejaria. É claro que tudo tem de ser feito dentro do limite do razoável. Mas, pelas leituras que já fiz, a conclusão a que chego é que uma mãe sabe instintivamente o que fazer numa altura tão importante como esta. Dar à luz um filho mexe connosco de uma maneira que desperta em nós um sentimento único. Devia ser possível dar oportunidade a cada futura mamã, de explorar o que sente, num ambiente não evasivo, na companhia de quem quisermos.
Xi!!! Já escrevi demais. Se isto fosse na tv, já tinham feito zapping.
Mas agora já disse o que me vai na alma. Seja como for, apenas anseio que corra tudo bem, que a minha Baguinho de Arroz venha com saúde e se o parto não for como gostaria, paciência, pelo menos tentei dar o meu contributo para alterar um pouco as coisas.

1º CTG

No dia 7 fui fazer o CTG ao hospital onde em principio irei ter o Baguinho de Arroz.
Não sei se é normal, mas um simples CTG fez depultar um turbilhão de emoções em mim. Foi emocionante ouvir o bater do coração duma gente pequenina que ainda mora dentro de mim. Se calhar foi o tempo que demorou e me fez ficar lamechas...
Ainda demorou um pouco e estive sempre deitada de lado e a ouvir o som do bater do coraçãozinho da nossa filha. Foi uma sensação reconfortante, calmante...até tive um pouco de sonolência de tão tranquila que fiquei.
Depois vieram as boas noticias, está tudo bem com ela e eu já tenho algumas contrações, mas para dizer a verdade, não sinto nada ainda.

de volta

Cá estou de volta a dar noticias nossas.
Peço desculpa se vos deixei preocupadas pela minha ausência, mas tem sido difícil vir a net.
O nosso Baguinho de Arroz ainda está no quentinho e está tudo bem.
Tenho algumas novidades, mas vou fazer posts diferentes, se não vocês vão aborrecer-se de tanto ler.
Beijinhos a todas e obrigado pelo carinho.

sexta-feira, fevereiro 03, 2006

consulta

Ontem fomos à consulta, como estava previsto. Parece que por aqui está tudo bem. Fiquei imensamente aliviada. E pelos vistos já não vai arriscar fazer nova análise. Até aqui tudo bem.
Esteve por aqui a observar e fez o que ele chamou de toque. Deve ter sido um "toquezinho" pois não senti nada de especial. Ele não é uma pessoa muito faladora, mas mesmo assim lá foi dizendo que ainda não estava para a agora e que tinha um dedo de dilatação no colo exterior. Claro que tive de perguntar o que queria dizer com isso, já que não tinha nunca ouvido falar de tal coisa. Aí ele explicou que o colo do útero é como um cilindro e que era na parte exterior que tinha o tal um dedo de dilatação. Portanto parece que ainda vai demorar mais um pouco. Mesmo assim acho que vou repousar a partir da semana que vem. Os quilómetros que faço todos os dias estão a tornar-se difíceis e trabalhar implica muitas vezes ter de me exaltar e enervar e sei que isso não é bom.
Vou também na próxima terça-feira fazer o meu primeiro ctg no hospital e aproveitar para conhecer as instalações. Depois venho contar como foi.
Nota: Obrigada a todas pelo V. carinho :-)

quarta-feira, fevereiro 01, 2006

não correu bem...

Ontem foi dia de análises. Uma das análises era suposto recolher uma amostra do muco vaginal. Isso implicava a introdução daquilo a que eu chamo de "bico de pato". Não doeu nada de mais, fez só uma impressão, um desconforto. Eis senão quando a enfermeira me diz que não consegue retirar a amostra porque está tudo cheio de sangue!!!!! Até pensei que tinha ouvido mal!!! Mas não, quando ela retirou o tal "pato" este estava cheio de sangue. Então o que tinha sido?!! Ela deve ter tocado algures cá dentro sem querer e causou uma hemorragia. Pânico!!!! Nem sabia bem o que pensar, fiquei um pouco perdida, sem saber bem o que fazer. Ela tentou tranquilizou-me e dizer que não tinha importância e que passaria logo. Mas em todo caso se não parasse ao final da tarde para eu ligar ao médico. Saí, fui tomar o pequeno almoço e felizmente o H. estava comigo, assim veio ele a conduzir até ao trabalho.
Durante a manhã só pensava que acidentalmente ela podia ter desencadeado o trabalho de parto, e eu não tinha tudo preparado no trabalho, ainda faltam alguns pormenores (pensamento parvo!!! foi o que se arranjou!!!). À hora de almoço ainda não tinha parado....Pânico de novo!!! E agora?!! Falei com a minha Doula que me disse o obvio: "o que estás a fazer no trabalho?!!" Pois, realmente devia estar em casa a descansar. E foi o que fiz. Tive toda a tarde deitada e por volta das 17h lá abrandou a hemorragia. Embora já tivesse melhor achei que devia falar com o meu Obstetra. Embora ele não me tivesse ainda dado o telefone dele, porque teoricamente ainda era cedo, eu consegui falar com ele. Tenho a sorte (ou o azar!!) dele ser a pessoa mais descontraída à face da Terra. Não pareceu ficar muito alarmado e quando lhe disse que já estava a passar, ficou ainda mais descansado. Como tenho consulta amanha de manhã, ele vai ver realmente o que se passou e não valia a pena ir ter com ele ao Hospital.
Por um lado, e por estranho que pareça, não queria chegar ao Hospital e o médico dizer: "37 semanas?! isso já está bom, vamos fazer o parto." Não, não queria que me induzissem o parto só porque alguém acha que já está na hora. Se está tudo bem com o Baguinho de Arroz e não há risco para a saúde dela, não me parece bem estar a induzir só porque sim. Ok, há mil e uma razões para contrariar esta minha opinião. A mãe está com pressa, o médico vai de férias, a mãe vai de férias, etc.... Cada uma dessas opiniões são validas e respeito-as, mas também gostava que respeitassem a minha. (era só um desabafo)
Agora já estou mais descontraidita, mas ontem não foi fácil. Tenho a sorte de ter tido o H. sempre a meu lado, o que foi excelente, só a presença dele já me deixa mais segura.
Agora há as perguntas, o que raio fez ela aqui dentro, será que isto foi um aviso de que está para breve. Amanhã terei algumas respostas (espero).